Jurgen Appelo, no seu livro Management 3.0, propôs a lista dos desejos intrínsecos que movem as pessoas que eu rebatizei aqui como motivadores pessoais. Este post traz a minha interpretação sobre cada um deles.

O título de cada motivador é um link para um artigo do Jurgen que traz sugestões de como potencializar aquele motivador nas pessoas. Vale a pena explorá-los.

Todas as imagens podem ser obtidas no blog do livro por meio deste link. Lá você também encontra a descrição de uma ferramenta, chamada moving motivator, que pode ser aplicada em momentos de tomada de decisão em relação à carreira.


Aceitação

a necessidade de aprovação

Estar cercado por pessoas que não aprovam suas ideias ou seus comportamentos aumenta ou diminui o nível de energia? É certo que existem pessoas cujo nível de segurança (ou seria arrogância) é tamanho que a opinião de outros não faz a menor diferença. Desde criança, buscamos agradar nossos pais e eles usam esta nossa necessidade de aprovação para nos educar.

“As pessoas ao meu redor aprovam o que eu faço e quem eu sou”


Curiosidade

a necessidade de pensar

Quem aqui gosta de fazer tudo sempre igual? Quem aqui não gosta de enfrentar novos desafios? Pessoas sentem prazer ao serem confrontadas com algo inovador e intrigante. Estar diante de um problema, conseguir encontrar uma saída e perceber que aprendeu algo novo é estímulo suficiente para querer um próximo desafio. O vício por jogos de raciocínio, por mudar de fases, por zerar o jogo mesmo que não tenha adversários, é fruto dessa curiosidade.

“Tenho coisa suficiente para pesquisar e pensar a respeito”


Honra

a necessidade de compartilhar valores com o grupo

As pessoas preferem se comportar de maneira consistente do que não cumprir com seus compromissos. Elas preferem pagar o que devem do que ficar devendo. Em alguns casos recusam ajuda para não precisar recompensar no futuro. Ok, sei o que está pensando agora: a operação lava-jato está aí para nos mostrar que nem todos somos assim. Mas pensemos que, se acreditarmos que cada pessoa é tão sem honra quanto os escândalos que aparecem diariamente no House of Cards tupiniquim, melhor deixar de existir, certo?

“Sinto orgulho por meus valores pessoais estarem refletidos na forma como eu trabalho”


Liberdade

a necessidade de ser um indivíduo independente

Pessoas têm pavor de perder a possibilidade de escolha. Sentem-se presas quando têm apenas uma saída. Quando as oportunidades são limitadas, as pessoas sentem falta da liberdade de escolha. Quem gosta de ser proibido de fazer algo?

“Eu não dependo de outros para fazer o meu trabalho”


Maestria

a necessidade de sentir-se competente

Pessoas gostam de sentir-se especialistas e sentem prazer ao serem desafiadas a aprender. Quando se sentem especialistas, gostam de exibir seus conhecimentos. Algumas pessoas podem até ter pouca energia para estudar, ou para buscar aprender coisas novas ou para aprofundar conhecimentos em alguma área, mas é certo que as pessoas preferem ser vistas como pessoas competentes do que incompetentes.

“Meu trabalho desafia minhas competências mas ainda é compatível com minhas habilidades.”


Meta ou idealismo

a necessidade de compatibilizar os ideais da vida com o trabalho

Pessoas têm objetivos na vida e querem que eles sejam não apenas compatíveis mas também refletidos no trabalho que fazem. Imagine um ateu trabalhando para uma igreja. Qual nível de energia deste profissional ao sair para trabalhar?

“Meu propósito de vida é refletido no trabalho que eu faço”

 

 


Ordem

a necessidade de um ambiente estável

Pessoas preferem simplicidade, clareza, e quantidade limitada de opções para escolher. Ao reduzir opções e aumentar a transparência sobre benefícios e custos, as pessoas podem escolher de forma mais fácil. É por isso que Mark Zuckerberg optou por usar apenas camisetas cinzas. Ele reduz a quantidade de decisões que precisa tomar diariamente ao não ter que escolher que roupa vestir. O paradoxo da escolha foi assunto deste TED Talk de Barry Schwartz, onde ele argumenta que escolha nos tornou menos livres e mais paralisados, mais insatisfeitos em vez de mais felizes.

“Há regras e diretrizes suficientes para gerar estabilidade no ambiente”


Poder

a necessidade de influenciar

Pessoas influenciam outras ao compartilharem o poder que têm. Elas emprestam poder delegando autoridade e, com isso, espalham suas ideias. Numa discussão em que dois lados se opõem, qual seu nível de frustração se não conseguir convencer o outro sobre seu ponto de vista, mesmo que isso não influencie em nada a vida dos envolvidos? Não raro nos deparamos discutindo “o sexo dos anjos” apenas pelo prazer de conseguir fazer valer sua opinião, não é mesmo?

“Tenho espaço suficiente para influenciar o universo ao meu redor”


Relacionamento

a necessidade de contato social

Relacionar-se é aumentar o nível de segurança para tocar a vida. É saber que tem outros ao redor para ajudar na sua caminhada, seja com um bom papo eventual ou com uma carona para o hospital. Quando as pessoas sentem-se inseguras sobre o que fazer, elas fazem o que as outras estão fazendo. Elas copiam o comportamento de outras baseando-se na confiança entre elas.

“Tenho bom contato social com as pessoas do meu trabalho”


Status

a necessidade de prestígio social

Pessoas têm necessidade de sentir que estão se movendo, que estão subindo, que estão ganhando posição. Isso dá às pessoas senso de progresso e senso de completude.

“Minha posição é legal e é reconhecida pelas pessoas com as quais trabalho”